CP e Governo preparam concurso para renovar frota de comboios

Noticias, informações úteis, dúvidas, discussões, sondagens, tudo sobre os transportes ferroviários é aqui!

CP e Governo preparam concurso para renovar frota de comboios

Fábio Pires
Administrador
Registado: 05 fev 2008, 21:14

17 set 2017, 13:23 #1

Comboios híbridos, de bi-tensão e de bi-bitola. Já que a infra-estrutura não se adapta aos comboios, os comboios adaptam-se à infra-estrutura. É este o lema do plano de aquisição de material circulante que está a ser estudado pela CP e que aguarda luz verde do Governo para abrir um concurso público.

E em que consistem estas designações complicadas? Os comboios híbridos podem circular a diesel ou numa linha electrificada, o que é especialmente útil na rede portuguesa para que se possa realizar viagens directas sem mudar de tracção. Um comboio destes poderia sair de Lisboa ou do Porto para qualquer ponto do país recebendo energia eléctrica da catenária ou circulando autonomamente com motor diesel nas linhas não electrificadas.

Já o material bi-tensão e bi-bitola destina-se à exportação. Nos planos do anterior presidente da CP, Manuel Queiró, Portugal deveria preparar-se para entrar em Espanha quando a partir de 2019 ocorrer a liberalização do transporte ferroviário de passageiros. E para isso dava jeito ter comboios bi-tensão que possam circular sob os 25 mil volts da catenária portuguesa e dos 3000 da catenária espanhola.

E a pensar na migração gradual da bitola, o material bi-bitola “estica” ou “encolhe” os eixos dos seus rodados para circular indistintamente em linhas de bitola ibérica ou europeia. Ou seja, preparado para circular nos carris de toda a Península Ibérica.

Há um comboio em Espanha que incorpora todas estas valências e que circula todos os dias entre Madrid e Santiago de Compostela. De Madrid vai até Zamora em linha electrificada em bitola europeia. Depois segue a diesel em bitola ibérica até Ourense, onde retoma a tracção eléctrica, cuja tensão é de 3000 volts num troço e 25 volts no restante. 

O plano de aquisição da CP contempla comboios de longo curso e regionais, sendo que, nestes últimos, a empresa já entrou em colapso porque nem consegue assegurar a oferta diária na linha do Oeste, onde há todos os dias comboios suprimidos por falta de material. A CP tem cerca de 20 automotoras a diesel alugadas a Espanha, mas também estas não chegam para responder à oferta programada. As restantes do serviço regional datam dos anos 50 a 70 do século passado e terminaram há muito o seu período de vida útil, avariando constantemente.

Entretanto, a EMEF (empresa do grupo CP para a reparação e manutenção dos seus comboios) está impedida pelo Governo de contratar pessoal, pelo que as velhas automotoras avariadas vão-se acumulando nas oficinas.

A tudo isto o ministro das Infraestruturas e Planeamento, Pedro Marques, pede calma e até nem se exime de citar Sério Godinho. “Estamos a elaborar com a CP um plano de aquisição de material circulante. Compreendemos bem a pressa que se sente no terreno. Foram muitos anos de desinvestimento no sector ferroviário. Como dizia Sérgio Godinho ‘a sede de uma espera só se estanca na torrente’ e por isso tudo tem o seu tempo próprio pelo que a chegada de material circulante tem de ser coordenada com a electrificação das linhas”.

A concretizar-se, este será o primeiro concurso público para a compra de comboios em Portugal nos últimos 20 anos.

Público

Fábio Pires • Terminal Intermodal • PortalFórumFacebookGrupoTwitterFlickr

RailTracker AppRailTracker Web
Reply