Eletrificação da linha do Douro vai abranger as estações ferroviárias do concelho de Baião

Fábio Pires
Administrador
Registado: fevereiro 5th, 2008, 9:14 pm

janeiro 27th, 2018, 11:49 am #1

A eletrificação da linha do Douro, que inicialmente estava apenas prevista até ao Marco de Canaveses, vai mesmo avançar até à Régua. Os trabalhos deverão começar em 2020 e em 2022 passarão por Baião dois intercidades por dia.

O presidente da Câmara Municipal de Baião, Paulo Pereira, esteve presente nas instalações das Infraestruturas de Portugal (IP), em Lisboa, para uma reunião de trabalho referente à intervenção que será efetuada na linha do Douro, entre o Marco de Canaveses e a Régua, numa extensão de cerca de 50 km.
O projeto, assegurado por um consórcio internacional, encontra-se na fase de estudos e análise, devendo ir a concurso no final deste ano. Na reunião, a equipa multidisciplinar que neste momento se encontra dedicada ao projeto, apresentou ao autarca os seus planos e os possíveis constrangimentos que ocorrerão durante o trajeto a ser intervencionado.
Este projeto, há muito ambicionado por todos, deverá arrancar no terreno no início de 2020, estando prevista a sua conclusão em 2022, e é um investimento estruturante para a mobilidade das pessoas e para o turismo da região.
O investimento a efetuar terá impactos positivos, diretos, junto dos utentes do comboio, permitindo a redução do tempo de ligação entre o Porto e a Régua, assim como uma maior comodidade dos seus utilizadores ao incorporar equipamento mais moderno. Os trabalhos a realizar terão especial atenção na componente turística e ambiental, com a introdução de soluções que mitigarão os impactos visuais, valorizando de forma substancial a componente do rio Douro, ativo importante no desenvolvimento económico da região.
Está igualmente prevista a renovação integral da via, incluindo as plataformas, a incorporação de estruturas de suporte para sinalização e telecomunicações, o rebaixamento de via-férrea ou a substituição de quatro passagens superiores, assim como intervenções nas estações e apeadeiros.

Paulo Pereira saiu satisfeito da reunião lembrando que este “é um investimento estrutural e fundamental para a sustentabilidade turística da região. Os estudos encomendados pela Infraestruturas de Portugal apontam para um crescimento de 104% do número de passageiros/utilizadores da linha do Douro até 2051. Portanto, se atentarmos a estes números temos pela frente nos próximos anos grandes desafios que não podemos descurar e que vão ser absolutamente decisivos para o desenvolvimento de todo o território e de Baião em particular”.
É de sublinhar a extraordinária complexidade dos trabalhos no troço entre o Juncal e a estação de Mosteirô, em especial no túnel do Juncal, onde a linha terá que sofrer um rebaixamento de cerca de 60 centímetros em toda a sua extensão, o que obrigará à realização de transbordo entre aquelas estações, assegurado por carreira.
Este investimento irá assegurar uma alteração na oferta do serviço, nomeadamente com a extensão do serviço urbano até ao Marco de Canaveses, duplicando a frequência diária, a introdução do serviço intercidades duas vezes por dia, e um acréscimo da oferta inter-regional entre o Porto e o Pocinho.
O projeto de modernização da linha do Douro integra o plano nacional de investimentos Ferrovia 2020, que a IP está a desenvolver.
A eletrificação da linha do Douro, pelo menos até à Régua, é uma reivindicação antiga dos autarcas da região.

CM Baião

Fábio Pires • Terminal Intermodal • PortalFórumFacebookGrupoTwitterFlickr

RailTracker AppRailTracker Web
Citar
Like
Share